Mandato repudia o ataque de Jair Bolsonaro à deputada Maria do Rosário

Notícias 11/12/2014

O deputado Jair Bolssonaro, (PP-RJ), deu ainda mais sentido à Campanha Internacional pelo Fim da Violência Contra a Mulher nesta quarta-feira, 10. No dia em que se celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos, enquanto falava na tribuna do Congresso Nacional, ele teve a audácia de dizer, novamente, "eu falei que não ia estuprar você porque você não merece” à deputada Maria do Rosário (PT- RS).

Ele ainda declarou que a data é, na verdade, o “Dia Internacional da Vagabundagem”. “Os direitos humanos no Brasil só defendem bandidos, estupradores, marginais, sequestradores e até corruptos”, segundo ele.

Este parlamentar já está há 24 anos na Câmara dos Deputados, e ainda amargaremos mais quatro. É por isso que faz-se urgente uma reforma política, impedindo que pessoas assim façam da política uma carreira espúria, um espaço de abuso do poder e de palanque para defesa de ideias criminosas como racismo, homofobia e tortura. 

Todo apoio à mulher, mãe, deputada Maria do Rosário, na empreitada do processo criminal que impetrará contra Bolssonaro.

Somos contra qualquer tipo de violência física, sexual ou psicológico à mulher.

 

Vereador Professor Lino Peres
Presidente da Frente Parlamentar Metropolitana dos Homens pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

 

Abaixo, reproduzimos texto da Bancada do PT/SC, que encaminhou uma moção de repúdio ao ato do deputado.

A Bancada do Partido dos Trabalhadores da Assembleia Legislativa de Santa Catarina encaminhou hoje (10/12) moção de repúdio veemente ao deputado federal Jair Bolsonaro (PP/RJ) por incitar a violência sexual em Plenário. O deputado afirmou, ontem (09), na sessão plenária que não estupraria Maria do Rosário (deputada pelo PT-RS e ex-ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República) “porque ela não merece” e porque “o estupro acontece por merecimento”.

Na moção, a Bancada considerou que a liberdade de expressão não pode ser confundida com manifestações criminosas e que é de conhecimento de toda a sociedade as reiteradas manifestações machistas, homofóbicas, racistas e de incitação a vários crimes contra a democracia, a exemplo a defesa da ditadura militar, por parte do deputado Jair Bolsonaro.

 A Bancada do PT/SC entendeu que o referido parlamentar, conhecido por sua concepção autoritária, mostrou outra vez sua misoginia ao gritar com a deputada e assediá-la moralmente. Os deputados petistas lamentam também que o fato tenha ocorrido às vésperas da comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos e da apresentação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV). Além do repúdio da sociedade brasileira, os deputados do PT catarinense pedem a devida responsabilização do deputado.