POR UMA POLÍTICA MIGRATÓRIA DE INCLUSÃO, E NÃO DE CRIMINALIZAÇÃO, DOS IMIGRANTES HAITIANOS E SENEGALESES

Notícias 05/04/2018

Crédito de imagem: Jerônimo Rubim

Na sessão realizada em 4 de abril de 2018, senegalesas(es) protestaram na Câmara Municipal contra uma fala xenofóbica do vereador Dinho (MDB). "Eu tenho medo, porque esse povo, os haitianos e os senegaleses, eu acho que são totalmente treinados para a violência", afirmou Dinho na tribuna no dia 20 de março, em vídeo divulgado pelo Portal Desacato. Dita para justificar os protestos dos comerciantes de Canasvieiras contra a venda de produtos pelos imigrantes nas ruas, a fala causou indignação nas comunidades e nos movimentos sociais.
 
A afirmação de Dinho foi falsa, já que estes são povos pacíficos - e vítimas de violências diárias em nossa cidade. Ele acabou se retratando durante a sessão, acompanhada por imigrantes e apoaidoras(es) da causa. O gesto foi importante para a busca de soluções alinhadas com os princípios da nova Lei de Migração (Lei 13.445/17), junto ao Executivo municipal, visto que Dinho é da base do governo Gean Loureiro. 
 
Para o vereador Lino Peres é necessário recuperar e ampliar as políticas públicas que o município de Florianópolis já teve de integração às(aos) imigrantes. "Quando da chegada das(os) haitianas(os), houve um importante trabalho envolvendo várias secretarias, mas, com o passar do tempo, as iniciativas foram sendo abandonadas, restando apenas medidas repressivas", relrembra Lino. As(os) imigrantes enfrentam preconceito, racismo e condições desumanas no trabalho formal, como os da agroindústria, restando o trabalho informal como último recurso para terem condições de sobreviver.