MANDATO ACOMPANHA PROCESSO DE ABERTURA DO CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMIGRANTES E REFUGIADAS(OS)

Notícias 16/11/2017

A iminente abertura do Centro de Referência para Imigrantes e Refugiados em Florianópolis e Região (CRAI) coloca Santa Catarina à beira de uma importante conquista na área dos direitos humanos. Afinal, desde 2010, quando o Brasil foi atingido por uma nova onda migratória, o poder público estadual e local tem encarado com medidas paliativas os desafios enfrentados por pessoas advindas de outros países. De acordo com Maria Elisa de Caro, diretora de Direitos Humanos do Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS), a inauguração da sede do CRAI, localizada na Rua Tenente Silveira, no centro de Florian[ócarece apenas da liberação de uma verba federal.  

“Caso o dinheiro não seja liberado até dia 22 de novembro de 2017 vamos entrar com uma ação judicial via Ministério Público Federal para que seja realizada a abertura do Centro de Referência”, informou Vanda Pinedo, assessora do mandato do vereador Profº Lino Peres e integrante do Grupo de Trabalho (GT) de Apoio aos Imigrantes e aos Refugiados, sobre os encaminhamentos definidos na última reunião. Outra questão debatida foi a composição de uma equipe de atendimento multidisciplinar e multiétnica, como explica Vanda: “recebemos um contingente de estrangeiras(os) negras(os), de mulheres que precisam ter uma referencia étnica e de gênero para poderem desabafar”. Criado pela Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), em 2015, o GT reúne-se mensalmente para articular a criação do equipamento destinado ao acolhimento especializado de pessoas advindas de lugares com costumes, língua e cultura diferentes dos nossos.

Desde a primeira legislatura, um dos compromissos do vereador Profº Lino Peres é com a construção de políticas públicas que deem condições para que imigrantes e refugiadas(os) vivam com dignidade. Na Audiência Pública (AP) “Migrar é direito!”, realizada na Alesc, no dia 7 de novembro de 2017, ele criticou o pouco que se avançou, desde a primeira AP, realizada em 2014, e propôs que seja feito um plano de ação para o funcionamento do CRAI. A inauguração do Centro de Referência vem se arrastando desde 2016, quando foi lançado pelo Governo do Estado a criação do local. Frente à letargia do estado, até o momento, o atendimento tem sido feito pela Pastoral do Imigrante e demais voluntárias(os).

Para mais informações acompanhe o BLOG  e a FANPAGE do Grupo de Apoio a Imigrantes e Refugiados em Florianópolis (GAIRF).